Blog

7 hábitos que prejudicam o orçamento doméstico

01.01.2018

7 hábitos que prejudicam o orçamento doméstico

Algumas atitudes prejudicam o orçamento doméstico sem você perceber. Quer saber quais são e ainda ver como fugir delas? Confira no blog do Jeitto!

Manter o controle financeiro não é uma tarefa fácil. Isso tem se refletido em números: 60% das famílias brasileiras estão com dívidas, o que mostra que a maioria das pessoas ainda não sabe lidar com o dinheiro e estão seguindo hábitos que contribuem para ter dificuldade na hora de pagar as contas e fechar o mês. Você faz parte desse grupo? Então está na hora de mudar! Com algumas atitudes no seu dia a dia é possível colocar as contas da família no azul novamente e virar esse jogo. Quer saber como identificar alguns dos hábitos que prejudicam o orçamento doméstico e ainda ver como evitá-los? Confira as dicas do Jeitto e fique por dentro!

  • Não saber em que o dinheiro está sendo gasto
  • O principal vilão que atrapalha o orçamento de uma família é a falta de controle. É essencial saber exatamente quanto se gasta com cada coisa para poder se planejar e arrumar as contas. Para isso, anote desde os gastos básicos do dia a dia até as contas fixas, que devem ter ao lado as datas de vencimento para que você não esqueça de pagar e tenha que arcar com juros. Só assim você vai saber no final do mês onde foi parar o seu dinheiro. Colocando em prática o controle dos gastos você vai descobrir que aquele café da manhã que custa apenas R$ 5,00 na padaria antes de ir ao trabalho pode representar R$ 100,00 no final do mês. E são justamente esses gastos invisíveis que boicotam o orçamento. Você não precisa deixar de gastar, mas precisa ter consciência de quanto isso pesa no final do mês, quando não sobra dinheiro para alguma coisa importante. Por isso, não despreze nenhum valor.

  • Não saber diferenciar necessidade e vontade
  • O lado emocional muitas vezes pode nos fazer tomar decisões erradas quando o assunto é dinheiro. Sem pensar muito, apenas por impulso e vontade, podemos prejudicar a economia de vários meses comprando de forma errada, passando supérfluos na frente dos bens de primeira necessidade. Por isso, antes de comprar qualquer coisa, reflita se é mesmo necessário e se pode gastar com isso no momento. Isso pode ajudar a diminuir bastante esses gastos excessivos e quase sempre desnecessários.

  • Parcelas a perder de vista
  • Comprar exige cuidado. Sabe aquele valor que fica bem destacado em uma oferta? É ele que nos chama atenção, fazendo com que o “em 24 vezes” e os juros que estavam do ladinho passe despercebido. Por mais que uma compra seja feita em suaves prestações, você precisa ter precaução, já que estará comprometendo uma renda lá do futuro, que não sabe se poderá contar. Dê preferência às compras à vista, que permitem ainda que você consiga um desconto.

  • Gastar mais do que pode
  • Não respeitar as limitações financeiras pode criar problemas muito grandes. Gastando mais do que a renda permite, você pode estar sujeito à dívidas, inadimplência, comprometer seu patrimônio e até arrumar uma dor de cabeça com a justiça. Não se deve rasgar dinheiro e, para ter sucesso na busca pela saúde financeira, é preciso viver sempre um degrau abaixo, nunca gastando mais do que se ganha.

  • Esquecer-se de traçar metas
  • Não adianta ter controle total sem ter metas a serem alcançadas. Elas servem como um incentivo para você continuar. Por isso, não seja muito modesto, pois é importante enxergar à frente. Esses grandes sonhos se chamam metas a longo prazo, já que é preciso um pouco mais de dinheiro e preparo para conseguí-las. Para médio e curto prazo, tenha objetivos menores, mais fáceis de alcançar. É uma ótima forma de se animar e ainda conseguir levar a família junto em busca de uma realização em comum.

  • Comprar sem pesquisar
  • Desde as compras no supermercado, até a geladeira ou TV e também na compra de automóveis ou imóveis, pesquisar é fundamental. Não deixe de procurar na internet, participar de grupos que falam sobre compras mais baratas e ter coragem de andar muito em busca dos melhores valores. Cada pouquinho economizado representa muito no final do mês.

  • Não poupar
  • Poupar é uma atitude de quem sabe lidar com o dinheiro. Isso não quer dizer que você precisa abrir mão de tudo o que gosta, comprar algo que deseja ou sair para jantar, mas saber que parte do seu salário não pertence a você, mas à sua meta. Cada centavo te deixa um passo mais perto de conquistá-la! E lembre-se: não deixe para fazer isso no finalzinho do mês, quando quase todo o dinheiro já se foi. Você deve ter um valor fixo para depositar mensalmente, pois, se acabar optando por guardar só o que sobrar, ficará ainda mais difícil de alcançar seu objetivo. Com mais dinheiro na mão, maior a ilusão de que você pode gastar, o que pode acabar prejudicando a meta de guardar dinheiro.

Evite os 5 hábitos que prejudicam o orçamento doméstico com as dicas do Jeitto. Coloque-as para funcionar e logo verá que ter uma vida com mais equilíbrio financeiro é questão de prática. Boa sorte!